terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Sem sentido – Kleber Nunes





Perdi-me
Num tempo incoerente
Um tempo que não se situa
Que não me permite chegar

Vivo a vagar
Distante de tudo
O inferno não me queima
O céu não me alcança

A inquietude é meu templo
As dúvidas, minha certeza
A morte me corteja
A vida me escapa

Procuro um momento sublime
Mas não sei identifica-lo
Sonho em eternizá-lo
Viver desse lampejo

O dia é longo
A noite é eterna
A dor se multiplica
E da cura nada sei

Tudo falta
Tudo sobra
E entre a escassez e o excesso
Desconheço o sentido das coisas


Nenhum comentário:

Postar um comentário